A História do Piano

Por Carlos Gustavo Kersten

Em 1709, Bartolomeo Cristofori, italiano da cidade de Pádua, fabricou o primeiro Pianoforte (piano = doce, leve e forte = alto, sonoro). A combinação das duas palavras enfatiza o potencial do piano em produzir fortes ou leves tons, dependendo somente de como suas teclas são tocadas. Seu mecanismo, composto por martelos, substituiu o sistema de cordas puxadas utilizado pelos cravos.

A ascensão do piano inicia-se logo no início do século XVIII, quando as apresentações caseiras informais deram lugar às realizadas sobre um palco. A criação, em 1716, do Collegium Musicum, em Frankfurt, tendo Georg Philipp Telemann como diretor do programa de concertos, contribuiu fortemente para a popularidade destes eventos.

 


Em 1717, na Alemanha, um professor de clavicórdio, Gottlieb Schöter, inventou dois mecanismos: "up-striking" e "down-striking, ambos utilizando martelos. A mecânica up-striking" mostrou-se mais promissora mas por falta de recursos, Schöter suspendeu  suas pesquisas. Este fato, entretanto, deu a ele, durante  muito tempo, o crédito da invenção do piano.

.

up

up-striking

down
down-striking

Partitura

 


A primeira composição musical escrita especialmente para piano foi publicada em 1732: 12 sonatas para pianoforte de Giustini.

 

Já em 1732, construiu-se o primeiro grand piano vertical. Quatro anos após, em 1739, novamente Schröter surge no cenário instrumental desenvolvendo o mecanismo tangente que utilizava lingüeta articulada.

Gottfried Silbermann, um grande fabricante de órgãos, clavicórdios e pantaleons, produziu dois instrumentos baseando-se na concepção do “cravo com martelos” e, em 1736, decidiu mostrá-los a Johann S. Bach, que, mesmo ficando impressionado, fez duras críticas aos instrumentos.

      5
 

Por 10 anos Silbermann refinou seus pianos até que, em 1746, (foto5)ele apresentou um deles ao rei Frederico II da Prússia que, deliciado, adquiriu 15 instrumentos. Depois disto, Silbermann não conseguiu levar adiante seus projetos vindo a falecer em 1753.


 
     

6
mecanismo inglês

7
mecanismo alemão

     
 

Silbermann teve acesso ao trabalho de Cristofori e Schrõter, sendo assim, sua fábrica produziu duas linhas distintas de piano. Seriam os estilos "Inglês" e "Alemão" de piano.

 
     
 

Em 1742, um dos discípulos de Silbermann, Christian Ernest Friedrich, continuou seu trabalho e construiu um pequeno "square piano",baseado no design do cravo, chamado de "Bienfort". Entretanto, este tipo de piano só foi produzido comercialmente 20 anos depois, na Inglaterra. Os pianos de cauda descendiam dos cravos e tinham suas cordas alinhadas com o teclado. O "square piano", com suas cordas dispostas em ângulo reto do teclado era mais compacto e econômico. Confeccionado e vendido em quantidade, ele preparou o caminho para o domínio posterior do piano. Por ser de pequeno tamanho tomou-se um instrumento de uso pessoal ou doméstico. Mas, através dos seus aproximados 100 anos de vida, teve suas cordas aumentadas e tensionadas visando a potencialização de seu volume.

  8
9


Então, o "squarepiano" cresceu. Sua estrutura de madeira já não era forte o suficiente para suportar seu conteúdo. O desenvolvimento de uma armação de ferro foi a solução que o instrumento necessitava, mas, ironicamente, isto aconteceu tarde demais. O "square piano" estava em decadência.


 

10Em 1745, Christian E. Friedrich novamente inovou construindo o primeiro piano piramidal, (foto) com cordas obliquas.

Em 1747, J.S.Bach teve um novo contato com um piano desenvolvido por Silbermann quando de sua apresentação diante do rei Frederico, O Grande. Desta vez, o instrumento o deixou melhor impressionado.

O primeiro trabalho sobre a técnica de piano foi publicado em 1753 por C.P.E.Bach, em Berlin. Seu título era "An Essay On The True Art Of Playing Keyboard Instruments".

Em 1767, o piano foi usado, pela primeira vez, como acompanhamento em uma apresentação no Covent Garden Theatre, em Londres. E, ainda em Londres, aconteceu a primeira apresentação solo realizada por J.S.Bach, no Thatched Cottage, em um piano confeccionado por Johannes Zumpe.

Tanto Cristofori quanto Silbermann produziram instrumentos de alto grau técnico, mas nenhum deles atingiu um sucesso comercial real. Em 1770, Johann Andreas Stein, aprimorando o mecanismo do piano, aumentou consideravelmente o apelo do instrumento. Este aprimoramento foi o resultado da introdução da ação do escapamento que permitiu uma repetição mais rápida das notas. Esta alteração incorporou-se, posteriormente, aos pianos vienenses que possuíam um visual e uma acústica mais delicada do que aqueles fabricados na Inglaterra e na França. Possuíam uma máquina mais simples e mais leve, na qual um martelo era montado sobre a extremidade da tecla gerando, assim, um som mais suave.

Em 1773, dois acontecimentos marcantes: a realização do primeiro concerto na América, na cidade de Nova Iorque e a publicação de Sonatas Op.2, de Muzio Clementi, compositor italiano, pioneiro na aplicação dos recursos musicais do piano.

Dois anos depois, em 1775, a América já tinha seu próprio fabricante de pianos: John Behrent, da Filadélfia, um imigrante alemão.

Em 1781, John Broadwood proporcionou o aumento de volume e a melhoria do timbre reposicionando o bloco de pinos ao longo da estrutura traseira do piano. Depois, em 1783, ele promoveu uma nova mudança em um "square piano", com um eficiente sistema de abafadores instalados em um plano inferior e a colocação de um pedal de "sustain" no lugar da alavanca que era acionada pelo joelho do pianista.

John Geib, baseando-se em trabalho realizado por Zumpe, patenteou, em 1786, seu duplo mecanismo introduzindo uma alavanca intermediária para facilitar o escapamento.

Em torno de 1770 a maioria dos "square pianos" possuía uma extensão de cinco oitavas. Contudo, em 1794, os trabalhos musicais da época exigiram mais notas e, por isso, o teclado foi expandido para 5 ½ oitavas. John Broadwood foi o responsável por mais esta mudança.

11


O final do século XVIII ainda reservou novidades para os apreciadores do piano. Em 1795 William Stodart projetou, em Londres, o primeiro piano armário. Em 1797, foi publicada, também em Londres, a revista Pianoforte, a primeira exclusivamente dedicada ao piano. Em 1799, François Adrien Boieldieu, do Conservatório de Paris, é indicado como o primeiro \ professor de piano do mundo. E, finalmente, em 1800, John Isaac Hawkins, da Filadélfia, projetou o primeiro piano portátil (foto11)completo com alças e um teclado dobrável.


 

Em 1804 a sonata nº 21 em C, Op. 53 ("Waldstein"), de Beethoven, sugeriu os novos caminhos da composição para os pianos do futuro. A textura, a interação entre os acordes nos graves e melodia nos agudos foram as principais características da peça musical.

12

A opinião dos grandes músicos da época contribuiu muito para a evolução do piano. Os projetistas/construtores estavam sempre atentos às novas necessidades surgidas e acrescentavam alterações no instrumento num ritmo quase frenético. Um típico exemplo disto foi Sebastien Erard que, para ter seus pianos bem aceitos entre os principais instrumentistas da época (inicio do século XIX), patenteou, em 1808, um mecanismo do escapamento que aumentou grandemente o desempenho do instrumento. Inventou, também em 1808, o agraffe que ajudou a fixar as cordas do piano nos seus apoios, estabilizando a afinação e formando o final da parte sonora da corda.

13
Em 1810, projetou o mecanismo do pedal moderno. E, em 1822, desenvolveu o duplo mecanismo do escapamento (ou repetição) que, apesar de ter sido por ele inventado, foi patenteado por seu sobrinho Pierre Erard, tomando-se a base para todos os instrumentos modernos.
14

O piano vertical (armário) foi desenvolvido para ser um dos menores, mais econômicos e mais portáteis instrumentos. Ao mesmo tempo, fabricantes e inventores queriam produzir um som que estivesse o mais próximo possível, em força e qualidade, daquele emitido por um piano de cauda. Entretanto, estes objetivos eram incompatíveis entre si.

O mérito pela invenção deste piano é dividido entre Matthias Müller (Viena) e John Isaac Hawkings (Philadelphia). MüIler utilizou o mesmo esquema mecânico de um piano de cauda da época. Entretanto, ele optou por ter o ponto de atrito dos martelos sobre as cordas mais próximo do que o usual e isto resultou em um som que possuía poucas notas altas sendo, assim, pouco parecido com o piano tradicional. Hawkins era um engenheiro e seu instrumento era excepcionalmente engenhoso tendo uma estrutura de ferro e um teclado dobrável. Infelizmente, tinha um péssimo timbre e desafinava com facilidade. Talvez por estes motivos, nenhum dos instrumentos atingiu o reconhecimento merecido.


15

Em 1802, Thomas Loud (Londres) sugeriu que as cordas do piano armário fossem estendidas diagonalmente para permitir que o instrumento acomodasse cordas mais longas (produzindo melhor som) ou mesmo para que se alojasse em uma caixa menor.

Entretanto, foi em 1814 que Robert Wornum, homem que transformou o piano armário no instrumento conhecido atualmente, projetou cordas que desciam abaixo do teclado até o chão, (foto) melhorando significativamente o som do instrumento, permitindo dimensões externas mais compactas e encorajando, assim, a classe média a comprar pianos para uso doméstico.

O mecanismo de Wornum foi, posteriormente, desenvolvido em Paris por Ignace Pleyel e Jean-Henry Pape, o que fez com que ficasse conhecido, erroneamente, como o mecanismo "francês".

Com o crescimento da demanda por instrumentos capazes de produzir intenso volume, as cordas tinham que ser mais longas, mais grossas e mais tensionadas. Os pianos tomaram-se maiores e mais fortes para evitar deformações provocadas pelo tensionamento interno. Este problema foi resolvido com a introdução de um pino de ferro colocado acima da tábua harmônica. Existem dúvidas quanto à autoria desta mudança (Broadwood ou Erard). Entretanto, atribui-se à Broadwood & Sons a construção, em 1821, de um "square piano" utilizando uma estrutura metálica com pinos também de metal onde as cordas eram presas.

 
OBS.: Cabe aqui um questionamento pessoal com relação a esta data pois, em 1996, recuperei, em minha oficina, um instrumento com as mesmas características fabricado em 1811, na cidade de Londres por Butcher & Watlen.

Em 1811 o Concerto nº 5 em Eb, Op. 73, de Beethoven ("Imperador") é apresentado pela primeira vez em Viena, introduzindo a prática de se tocar as cadências escritas pelo compositor, sinalizando o começo do fim do improviso em concertos. Onze anos depois, em 1822, Schubert compõe Fantasia em C, Op. 15 ("Wanderer") antecipando o uso mais orquestral para a composição destinada ao piano, que seria posteriormente explorado por Brahms e Liszt.

Em 1825, Alpheus Babcock (Boston) apresentou seus pianos quadrados (square pianos) com chapa totalmente confeccionada em ferro fundido que permitiu uma tensão maior nas cordas, gerando um volume maior de som.

Neste mesmo ano de 1828 um outro fato marcante na história do piano: Ignaz Bösendorfer assumiu o controle gerencial da fábrica Brodman, lançando os alicerces da moderna empresa Bösendorfer.

Logo em seguida, em 1826, Pape, um dos responsáveis pelo aprimoramento do piano armário, também desenvolveu outras tecnologias, tais como o uso de feltro na cobertura dos martelos e o uso de cordas de aço temperado. Três anos depois, em 1828, instalou cordas cruzadas em pianos armário, aumentando ainda mais o tamanho delas.

Neste mesmo ano de 1828 outro fato marcante na história do piano: Ignaz Bösendorfer assumiu o controle gerencial da fábrica Brodman, lançando os alicerces da moderna empresa Bösendorfer. E não só a mecânica do instrumento evoluía. As técnicas de execução musical também eram enriquecidas pelos grandes compositores e instrumentistas da época. Franz Liszt, por exemplo, foi uma figura revolucionária dentro da música romântica e foi reconhecido como o melhor pianista de seu tempo. Completamente envolvido pela música, suas emoções assumiam o total controle de seus gestos. Juntando-se a isto a força de suas mãos, o resultado foi a destruição de vários pianos. Entretanto, ele tinha preferência por alguns poucos instrumentos. Um deles, um Bösendorfer, foi seu companheiro em várias apresentações diante de figuras eminentes da sociedade da época. Em outra ocasião, exatamente em 1831, ouvindo o violinista Paganini tocar em Paris, Liszt inspirou-se e criou uma imagem heróica. Neste processo ele extrapolou os princípios técnicos para além das mãos, ou seja, para os braços, ombros e, até mesmo, para o tronco. Depois, em 1839, ele tocou no primeiro recital de piano solo em Roma, dispensando a usual performance entre orquestra, vocal e peças de câmara. Em 1840, foi a vez de Clara Schumann se destacar, popularizando a prática de tocar piano de memória.


17

E as mudanças mecânicas continuaram acontecendo. Em 1835, surgiu o primeiro exemplo de automação no processo de construção do piano quando uma fábrica alemã utilizou máquinas para enfeltrar os martelos. Em 1838, Pierre Erard inventou a barra harmônica que evitava que os martelos forçassem as cordas afastando-as do cavalete. Em 1840, Henri Herz simplificou o mecanismo criado por Erard, gerando um outro que ainda é usado nos dias de hoje.

 

19Um novo tipo de piano surgiu em 1842. Seytre e Pape, na França, e Bain, na Escócia, produziram instrumentos automáticos usando um sistema de perfuração, mas nenhum deles atingiu reconhecimento comercial. Giovanni Racca foi o primeiro a produzir, com sucesso, o piano automático baseado neste princípio.

18a  

Em 1863, o francês Fourneaux desenvolveu o "Pianista". Este foi o primeiro piano player pneumático. Era composto por uma caixa grande, mais ou menos do tamanho de um piano vertical, cujo mecanismo era impulsionado por rodas em seu plano superior, de forma que seus "dedos mecânicos” efetivamente tocavam as teclas.

Uma distinção deve ser feita entre o Piano Player e o Player Piano. O primeiro, do qual o "Pianista" é um exemplo, é um mecanismo vertical que toca um piano comum com "dedos” mecânicos. O outro é um piano com um mecanismo executor construído dentro de si.

18b

 

 
20

A aparência do piano de rolo (inicialmente em 1870), um longo rolo de papel com perfurações, provocou mudanças fortes no cenário musical. Esta maneira compacta e eficiente de armazenar informações fez do piano automático uma proposição viável. Ele tornou-se muito popular nos anos 1890's. A maioria das músicas gravadas nestes rolos de papel não possuíam expressividade ou informação dinâmica. Entretanto, era possível ao operador acrescentar estes elementos controlando o tempo, o volume e a ação dos pedais. Em 1904, Edwin Welte of Freiberg (Alemanha) inventou um sistema de codificação que incluía no rolo de papel as nuances de uma execução musical.


A especialização entra na indústria do piano em 1842, quando J.C.L.Isermann (Hamburgo) abre sua oficina independente para somente fabricar mecanismos de piano. Do outro lado do mundo, nos EUA, Jonas Chickering, especialista em "square" pianos, decidiu, em 1830, construir seu primeiro piano vertical. Ele pesquisou o trabalho de Babcock quanto ao uso de uma estrutura metálica para aplicar em seus "square" pianos e, em 1840, patenteou uma versão mais aprimorada dela. Também constatou que este tipo de armação poderia igualmente ser utilizada em pianos de cauda. Ele, então, construiu seu primeiro instrumento deste tipo, ao qual incorporou chapa feita de uma única peça

E a indústria de pianos continou a crescer de forma bastante acelerada. Em 1844, a empresa fundada por Jean-Henri Pape construiu um piano de 8 oitavas já prevendo o teclado expandido similar ao que se usa hoje em dia no Bõsendorfer Imperial. Em 1853, três gigantes do mundo dos pianos abrem suas empresas: o imigrante alemão Heinrich Steinweg funda a Steinway & Sons, em Nova Iorque; Julius Blüthner abre a oficina em Leipzig; Carl Bechstein começa a fabricar pianos em Berlim.

Todas as mudanças realizadas no mecanismo dos pianos culminaram em um aumento do tensionamento das cordas e, em conseqüência disto, os martelos cresceram e as máquinas tornaram-se mais robustas. Diante disto, Henry Steinway Jr. lançou, em 1859, o sistema de cordas cruzadas sobre a chapa de uma só peça que havia sido implantada nos pianos de cauda.

Em 1860, a Steinway & Sons produziu o primeiro piano de cauda com cordas cruzadas. O instrumento foi muito bem aceito pelo mercado.

Pela contribuição dada à evolução do piano, Steinway e Chickering ganharam, em 1867, o primeiro e segundo prêmios, respectivamente, na Exposição de Paris. Cinco anos após a premiação, em 1872, Steinway volta a inovar entrando na era do marketing cultural patrocinando concertos de Anton Rubinstein por toda a América.

A segunda metade do século XIX testemunhou enormes mudanças no mecanismo do piano. O piano de cauda, um delicado instrumento em fins do século XVIII, transformou-se na “robusta e poderosa” máquina de hoje. O piano vertical sofreu também alterações, sendo que os principais refinamentos ocorreram mais no processo de fabricação do que no designo

Em 1874, Steinway aperfeiçoou o pedal de sostenuto para "square pianos"; as patentes de pedal de sostenuto em pianos de cauda e armário foram obtidas um ano depois.

Ainda em 1874, Julius Blüthner patenteou as cordas Aliquot que aumentaram a ressonância do piano usando uma quarta corda não atingida pelo martelo acima das três cordas de cada nota nas 4 oitavas mais agudas.

Em 1880, Needham and Sons (Nova Iorque) lançou o primeiro piano automático construído por R. W.Paine através de uma adaptação do mecanismo do orguinette. Ainda neste ano, duas novas empresas surgem no mercado: a Steinway de Hamburgo e a Mechanical Orguinette Co. (mais tarde Aeolian Co.) que produzia harmônios automáticos.

21Em 1882 foi a vez de Paul von Janko patentear seu teclado de piano redesenhado (foto), baseado em duas fileiras de tons adjacentes a escalas de tons inteiros. Cinco anos depois, em 1887, Edwin Welte (Alemanha) introduziu o uso do rolo de papel perfurado.

E o Japão entrou, finalmente, rio mercado de pianos quando, em 1885, a Nishikawa & Sons (Tóquio) fabricou seu primeiro piano. Logo depois, em 1899, Torakusu Yamaha construiu seu primeiro instrumento, consolidando a indústria japonesa do piano.

Neste final de século, o mundo artístico musical voltou a destacar-se através das figuras de Paderewski que se tornou mania em Nova Iorque em 1891 e na de Brahms que fez uma das primeiras gravações de piano imprimindo uma de suas Danças Húngaras num cilindro.

Em 1897, Edwin Votey desenvolveu a pianola para a empresa Aeolian. O instrumento consistia em um tocador pneumático confeccionado pela mesma firma. Com o passar dos anos a pianola desenvolveu-se consideravelmente, tendo alguns de seus modelos incorporados aos pianos.

O estabelecimento do piano como um veículo para a expressão musical afro-americana foi obra de Scott Joplin quando, em 1899, ele publicou a obra "Maple Leaf Rag". Já o "approach" impressionista do instrumento foi antecipado por Ravel em 1901 através da obra "Jeux d' eau" e foi posteriormente desenvolvido por Debussy.

O início do século XX assistiu ao fim da era dos "square pianos". Para estimular a venda de novos modelos, a Society of American Piano Manufacturers queimou, no ano de 1903, durante uma cerimônia, uma pilha com mais de 15 metros desses pianos em Atlantic City. Os anos 1900 trouxeram também um ritmo frenético ao universo musical. Eventos importantes abriram caminho para que o piano passasse do clássico para o popular mantendo entretanto, o clima de aristocracia a ele inerente:

.em 1908, Schonberg compôs "Três peças para piano" juntando antigos princípios de composição com novos conceitos, como as vibrações de corda por simpatia;

'em 1923, as apresentações de Jerry Roll Morton, no Gennett Studios, contribuíram para o estabelecimento do piano como parte integrante da base da banda ("cozinha");

'em 1927, o trabalho de Earl Hines com Louis Armstrong reafirmou o papel do piano em jazz, como sendo um instrumento de solo;

'em 1938, as "ferasflo "boogie-woogie" Albert Ammons, Meade Lux Lewis e Pete Johnson se juntam no concerto Spiritual to Swing, no Camegie Hall; 'em 1943, John Cage compôs "Amores" fazendo uso de um piano preparado; 'em 1952 aconteceu a "premiere" da peça de John Cage que foi um marco na época: 4 minutos e 33 segundos de silêncio;

'em 1955, a gravação de Glen Gould de "O cravo bem temperado" redefiniu a prática pianística da música barroca e sugeriu muitas possibilidades para a edição de fita na performance de piano. Notou-se um interesse crescente por este tipo de música que culminou, 20 anos mais tarde, na reconstrução de pianos autênticos da era Mozart;

'em 1958, Van Clibum ganhou o primeiro concurso Tchaikovsky, iniciando a era de espetaculares concursos de piano

também em 1958, Jerry Lee Lewis projetou o piano como instrumento de rock com as músicas "Whole Lotta Shakin' Goin' On" e "Great Balls of Fire";

-em 1975 o Kõln Concert, de Keith Jarret, reviveu o "solo jazz piano" apontou para uma forma mais livre e meditativa de expressão posteriormente explora a por pianistas "new age".

Entretanto, apesar da polivalência do piano, houve quem acreditasse no seu desaparecimento do cenário musical. Em 1925, Walter J.Tumer previu, no New Statesman, em Londres, o fim do piano dizendo que, em tomo de 1975; o instrumento seria usado em concertos como uma peça antiga. Felizmente ele estava errado.

A chegada do rádio, no início do século XX, provocou um sério dano para o mercado de pianos devido ao seu efeito no setor de entretenimento doméstico. Antes do rádio, as famílias dependiam do piano para sua diversão. As novas invenções, rádio e gramofone, passaram a dividir com o piano as preferências domésticas. Entretanto, 'os novos sons surgidos representaram uma reviravolta na indústria pianística revigorando-a na luta pelo mercado de entretenimento doméstico.

No mundo empresarial as mudanças aconteceram em ritmo acelerado, trazendo boas e más notícias. Em 1930, Koichi Kawai, um empregado da Yamaha, saiu da empresa para fundar sua própria indústria de pianos.

Os horrores da Segunda Guerra Mundial deixaram intacta, somente, a fábrica da Steinway, dizimando todas as outras grandes indústrias alemãs de piano. Este fato contribuiu fortemente para o crescimento ainda maior da Steinway.

Em 1954, a Wurlitzer Co. lança seu piano elétrico e onze anos depois, em 1965, foi a vez de J:Iarold Rhodes lançar o seu modelo elétrico.

Em 1966, a indústria Bösendorfer é adquirida pela Kimball International e teve, em 1978, sua produção elevada para 500 instrumentos/mês. Apesar disso, logo depois, a Bõsendorfer iniciou seu processo de decadência. o Japão, por sua vez, tornou-se, na década de 70, segundo dados da ONU, o maior produtor mundial de pianos.

Já em 1973, o Congresso Americano proibiu a importação de marfim introduzindo, com isto, o plástico no processo de capeamento das teclas do piano

Em 1986, a indústria Bechstein, que havia sido comprada em 1963 pela americana Baldwin, voltou para as mãos alemãs através do técnico Karl Schulze que, juntamente com dois sócios, recomprou-a da Baldwin, reestruturou seu setor de produção, fechou 3 fábricas do grupo e implantou nova tecnologia na unidade de Berlim, em 1989.

A história do piano sempre esteve repleta de confusões envolvendo sua terminologia e quando chegamos à era dos pianos elétricos e eletrônicos isto não poderia ser diferente. O termo "piano elétrico" é freqüentemente usado para descrever qualquer instrumento de teclado que use eletricidade e produza um som parecido com o de piano. Entretanto, a distinção deveria ser feita entre pianos "elétricos" simples, cujo som deriva de um elemento que vibra fisicamente, e pianos "eletrônicos", onde o som é gerado por circuito sem a utilização de partes em movimento.

A música popular e os instrumentos refletem invariavelmente a tecnologia dos dias de hoje. A indústria de instrumentos musicais tem rapidamente incorporado novas idéias e avanços tecnológicos. A eletrônica e a digitalização, incorporadas à música, têm gerado um importante desenvolvimento no mundo do design instrumental. O moderno piano eletrônico trabalha inteiramente dentro do campo digital, um mundo no qual o som é processado exatamente como qualquer outro tipo de dado numérico.

No universo artístico musical, hoje, mais do que nunca, existe uma enorme polivalência do piano, que vai da execução de peças clássicas até a do mais puro rock, sem perder sua majestade.

No cenário nacional podemos viajar através do tempo ouvindo a obra do compositor e pianista curitibano Brazílio Itiberê, reconhecido como o fundador da música brasileira erudita de cunho nacionalista, autor de "A Sertaneja - Fantasia Característica", peça composta em 1869, aos seus 23 anos de idade, "num lance de admirável intuição, qué situa o autor como um artista de sua época, antenado com as mudanças que estavam se anunciando no panorama mundial de música erudita, e com as quais sua sensibilidade se afinou" trecho de autoria de Maria Augusta Machado). "Observou a dinâmica da civilização e seu tempo, como brasileiro e como cidadão do mundo. Nasceu num Império modorrento, lutou pelo abolicionismo, viu a República e esteve presente no centro das decisões do planeta, às vésperas da Grande Guerra, que mudaria irreversivelmente a face da Terra, os valores e as relações entre os países e as pessoas. Foi amigo de grandes personalidades brasileiras e estrangeiras, atravessando, em seus quase 70 anos de vida, um dos mais fecundos períodos da História da Humanidade. Sua música é testemunha não só de uma época, de um tempo distante, mas sobretudo, de uma forma de viver, onde a individualidade e as idéias se sobrepunham a interesses menos espirituais, sendo as discussões estéticas e filosóficas o cerne do intelecto e da sensibilidade. (Arthur Moreira Lima). Aqui temos sua obra interpretada pela pianista brasileira de renome internacional, Henriqueta Penido Monteiro Garcez Duarte, em seu CD duplo "Henriqueta Duarte - Piano - Recital" (realização da Ársis Um Promoções Artísticas, distribuído pela Sol Maior), de cuja gravação participei preparando o piano nela utilizado.

Participei preparando o piano nela utilizado.

E chegamos aos dias atuais com Antônio Carlos Jobim, um dos criadores da bossa nova, que tinha o piano como seu inseparável companheiro de criação. Entretanto, a riqueza de ritmos existente no Brasil leva o piano a mostrar toda a sua versatilidade indo do clássico, passando pela MPB e chegando ao póp, como na canção "O exército de um homem só", de autoria de Humberto Gessinger e Augusto Licks e executada pelo grupo Engenheiros do Hawaii (CD "Filmes de guerra, canções de amor", selo RCA/BMG Ariola, agente Showbras, de cuja gravação participei sendo o responsável pela afinação/regulagem do piano utilizado pela banda).

Sem esquecermos, é claro, nossos grandes instrumentistas como, por exemplo, Arthur Moreira Lima que vem realizando um belíssimo trabalho de popularização do piano, levando, tanto a música popular brasileira quanto os grandes clássicos internacionais aos mais distantes e inesperados lugares: favelas, escolas e comunidades carentes, praças públicas, presídios, etc. e ainda mais recentemente percorrendo desde 2003 quase todo o país com seu inédito projeto “Uum Piano na Estrada “ do qual tenho o maior orgulho em participar desde sua idealização.

No cenário internacional esta diversidade de usos também se manifesta de maneira bastante clara: do clássico Evgeny Kissin, prodígio russo de 24 anos que, desde os 12, dá recitais apresentando soberbas interpretações de Chopin, até o excêntrico Elton John, passando por Stevie Wonder e Ray Charles que têm, definitivamente, suas imagens ligadas ao piano.

Todo o processo evolutivo narrado acima e a realidade com a qual nos defrontamos hoje nos mostra claramente que o piano é um organismo vivo. Sua história ainda está em curso. Sua participação em nosso dia-a-dia é um fato. Seja como objeto de lazer, de trabalho ou, simplesmente, como uma peça decorativa é raro encontrarmos alguém que já não tenha vivido algum tipo de relação com um piano. Um instrumento que, apesar de sua sofisticação, se enquadra em todas as realidades de vida atuais.